Gleylancer

‘Gleylancer’ é pura nostalgia no melhor que um 16-bits pode oferecer

Leandro Stenlånd

|

6 de novembro de 2021

A Ratalaika Games lançou em 15 de outubro de 2021 Gleylancer para PS4, PS5, Xbox One, Xbox Series e Switch. O título, originalmente de 1992, sempre foi um exclusivo do Mega Drive, comercializado apenas no Japão e depois fez uma aparição mundial no Nintendo Wii, em 2008. Como todos sabem, há fãs de jogos retrô e vintage pedindo aparição de muitos títulos antigos nos consoles atuais, e o jogo chega agora com melhorias que incluem novos recursos de acessibilidade e cenas traduzidas.

É isso mesmo: Temos agora um jogo com tradução em inglês. Como outrora foi lançado apenas no Japão, o game irá conceder a chance, inclusive, de assistir à história que antecede todo o acontecimento em japonês. No entanto, se quiser ter um indicio do que acontecerá, vamos lhe dizer abaixo:

A narrativa mostra Lucia, uma piloto de caça estelar de 16 anos da Federação Terrestre. Uma guerra gera um embate catastrófico entre humanos e uma raça alienígena desconhecida no ano de 2025. O pai de Lúcia, Ken, um almirante de alto escalão da Marinha da Federação, é capturado depois que sua nave é transportada para fora da zona de combate com quatro módulos alienígenas ao seu redor e que têm o capacidade de teletransporte. Lucia, com o coração partido e muito aflita, decide sequestrar a nave protótipo CSH-01-XA “GleyLancer” com a ajuda de seu amigo Teim e, assim, ela vai atrás de seu pai.

Gleylancer

Trapaça até no espaço sideral

Existem três modos diferentes para jogar Gleylancer. No modo Modern, os desenvolvedores adicionaram alguns recursos extras: você pode mudar o padrão de movimento dos satélites a qualquer momento, usar o analógico direito para apontá-los manualmente na direção de um inimigo e usar botões separados para ajustar a velocidade de movimento da nave. O modo Vintage é idêntico ao cartucho original japonês e não há adicionais envolvidos.

Gleylancer

Já o modo Cheater, vai permitir que você utilize algumas trapaças até mesmo no espaço sideral, mas deverá descobrir como. Isso porque antigamente usava-se muitos cheats para ganhar vida a mais, avançar alguns mapas, invencibilidade momentânea e muito mais.

Rewind: a tecnologia do futuro no passado

Claro que estamos falando de um título lançado há mais de duas décadas. No entanto, a nova versão do jogo permitirá ao jogador viajar no tempo, mais especificamente ir ao passado, e evitar que sua nave seja destruída.

Mais como uma forma de vidas infinitas ou continues infinitivos, ao utilizar a tecnologia Rewind (utilizando o L1) no Playstation seja o 5 ou 4, você conseguirá se esquivar facilmente de tiros dos alienígenas que irão ao seu encontro.

Infelizmente não temos como saber ao certo se essa ferramenta esteve disponível na versão do Mega Drive. Se existia, trabalhar com essas possibilidades era algo muito além de seu tempo. Caso contrário, é algo bem vindo se você não tem paciência de morrer a todo instante. Aliás, mesmo contra os chefes de fase, isso é muito bem vindo.

Mais ferramentas bem-vindas

Outra coisa muito bem-vinda é a possibilidade de alternar os tiros dos satélites. Pra início, você têm a sua disposição somente sua nave. Ainda assim, como todo bom shooter, há como obter melhorias.

Antes mesmo de começar o jogo, há como escolher como o satélite auxiliar se comportará. Atirando em linha reta, pode ser que ela seja uma espécie de tiro teleguiado (e que fica explicito em um texto em inglês que pode não funcionar corretamente). Além disso, existe a possibilidade de deixar essa nave como uma espécie de escudo em formato de órbita ao redor da principal. Isso, de certo modo, é até útil.

Gleylancer

As fases são bem diversificadas. A primeira, com um imenso campo de asteroides e um planeta gigante gasoso ao fundo, é impressionante para a época em que o título foi lançado. A dificuldade também é padrão do Mega Drive. Assim, é preciso lembrar que antigamente os títulos de super Nintendo eram muito menos complexos de se terminar, salva algumas exceções.

O que é mais legal, e indo onde nenhum homem jamais esteve quando se trata de Gleylancer, é que o título vai além, permitindo o jogador utilizar o formato 4:3, além de esticar a imagem quase como se fosse 16:9. Não somente isso, há muito mais como opções de sombreamento das bordas, modificar o CRT Gamma, diversas máscaras de sombras e etc. Com diversas opções, a imagem ganhará uma certa melhora (nada tão significante assim), mas que melhoraria e muito se houvesse a oportunidade de jogarmos Gleylancer em uma TV tubão.

Veredito

Por fim, Gleylancer é, sem sombra de dúvidas, uma escolha excelente. A empresa fez um trabalho muito bom trazendo à tona um game há muito esquecido, principalmente quando o assunto são títulos Shmups.

Aliás, vai comprar algo na Amazon? Então apoie o ULTRAVERSO comprando pelo nosso link: https://amzn.to/3mj4gJa.

 

Leandro Stenlånd

Leandro não é jornalista, não é formado em nada disso, aliás em nada! Seu conhecimento é breve e de forma autodidata. Sim, é complicado entender essa forma abismal e nada formal de se viver. Talvez seja esse estilo BYRON de ser, sem ter medo de ser feliz da forma mais romântica possível! Ser libriano com ascendente em peixes não é nada fácil meus amigos! Nunca foi...nunca será!
9
GRÁFICOS

Créditos Galáticos: 8

JOGABILIDADE

Créditos Galáticos: 9

HISTÓRIA

Créditos Galáticos: 10

DIVERSÃO E IMERSÃO

Créditos Galáticos: 10

ÁUDIO

Créditos Galáticos: 8

Livros e Quadrinhos ‘Operação Obscura’ ‘Coração Marcado’ ‘Lua de Mel com a Minha Mãe’ ‘Bubble’ ‘Rumspringa’ SEC AWARDS 2022 A Megera Domada – Crítica do Filme