Lana Condor e Annie Murphy falam tudo sobre ‘Ruby Marinho’

Everton Duarte

|

30 de junho de 2023

O Ultraverso foi convidado pela Universal Pictures para bater um papo com o diretor Kirk DeMicco e as atrizes Lana Condor e Annie Murphy para o lançamento de ‘Ruby Marinho – Monstro Adolescente’.

“Ah meu Deus. Bem, eu amo o Brasil e amo as pessoas de lá. Vocês têm verdadeiramente as melhores, na minha opinião, as melhores bases de fãs”. Diz, Lana Condor

Na trama, acompanhamos a jovem Ruby Marinho que vive com sua família e eles são o grupo considerado o mais diferentes da cidade que moram. Até que Ruby descobre fazer parte da realeza marinha dos Kraken e precisará da ajuda de avó para salvar o oceano das criaturas mais perversas que existem: as sereias.

Portanto, no nosso bate-papo, o trio comenta sobre a trama, elenco de vozes e mais curiosidades sobre a nova animação da Dreamworks. Enfim, leia a entrevista abaixo:

Ruby Marinho entrevista
Crédito: Divulgação

Annie Murphy

Ultraverso: Chelsea é uma personagem muito popular e faz muito sucesso assim que chega ao ensino médio, ao contrário de Ruby, que não é popular e é traída por Chelsea, sim. Então, como você acredita que as meninas ao redor do mundo podem aprender com ela?

AM: Bem, em primeiro lugar, preciso dizer que me identifico muito mais com Ruby do que com a personagem que interpretei, Chelsea, quando estava no ensino médio e antes da 7ª ou 8ª série. Sabe, durante todo o ensino médio, não me sentia confortável na minha própria pele. Eu não sabia onde eu me encaixava. Foi uma luta, foi difícil e desconfortável. E havia Chelseas na minha escola. Acho que Chelseas estão em todos os lugares e, quando estava lendo o roteiro, pensei: “Bem, talvez a amizade delas vá dar certo, porque Chelsea parece entender Ruby e está meio que a protegendo, então isso pode dar certo”.

E, é claro, acontece aquela reviravolta e descobrimos que Chelsea é puramente má e tinha as piores intenções, e isso é uma lição infeliz da vida. Às vezes, as coisas não são o que parecem e as pessoas não são o que parecem, mas felizmente Ruby tem um grupo maravilhoso de amigos e familiares que estão lá para ela, não importa o quê. E só porque um relacionamento não dá certo não significa que você não tenha várias pessoas maravilhosas para contar.

Ultraverso: O que você pode dizer às famílias brasileiras que vão assistir Chelsea e Ruby nos cinemas?

AM: Posso dizer às famílias brasileiras que, se estão procurando algo divertido para assistir juntos, se estão procurando algo lindamente animado, cheio de detalhes e empolgante, e se estão procurando algo com uma mensagem muito positiva, este é definitivamente um filme para assistir juntos neste verão.

Ultraverso: Bem, você acredita que poderia haver outro caminho ou outro fim para Chelsea?

AM: Sabe de uma coisa? Eu gostaria de poder ser otimista em relação a isso. Sinto que, porque ela foi má por tanto tempo, não vejo, não vejo uma reviravolta para ela. Ela foi um monstro marinho malvado por centenas de anos. Acho que ela só conhece um caminho. Se ela tivesse sido má por um período menor de tempo, eu diria que há esperança. Mas não sei. Acho que o fim dela é o fim perfeito neste filme.

Ruby Marinho entrevista
Crédito: divulgação.

Lana Condor

Ultraverso: Qual foi o maior desafio que você enfrentou para dublar?

LC: Estar sozinha. Isso realmente me deixou perdida e sem referência de atuação, sabe? Atuando junto, você como interpretar e tal. Estando sozinha num estúdio e apenas usando a imaginação para interpretar, fica bem difícil. Então não ter isso provou ser definitivamente o maior desafio do processo de gravação. Mas ao mesmo tempo, nossos diretores e produtores foram muito eloquentes e bem versados no mundo da história que estávamos criando. Eles foram capazes de me ajudar a ter mais clareza quando eu ficava um pouco confusa. Porém, definitivamente estar sozinha foi, eu acho, a parte mais desafiadora.

Ultraverso: O que você pode dizer às famílias brasileiras que vão ver a Ruby e sua família no cinema?

LC: Ah meu Deus. Bem, eu amo o Brasil e amo as pessoas de lá. Vocês têm verdadeiramente as melhores, na minha opinião, as melhores bases de fãs. Eu acho que eu diria, por favor, por favor, assistam nosso filme nos cinemas. Muito do que nosso filme é, é sobre ser grandioso, certo. Então, nosso filme em geral é muito grandioso visualmente, é feito para ser visto em uma tela bem grande porque tem krakens gigantes e toda a equipe brincou muito com a ideia de quão grandes poderíamos realmente fazer nossos krakens gigantes, quão grande poderíamos fazer esse mundo.

Pensando, é feito para ser visto nos cinemas e em uma tela grande. Então, eu diria que realmente, realmente espero que vocês gostem do filme e espero que vocês o vejam nos cinemas quando for lançado, porque a experiência de vê-lo em uma tela grande é simplesmente divina. Então, eu incentivo muito que vocês vejam pela primeira vez na tela grande.

Kirk Dimicco

Ultraverso: Sobre a Ruby,eu acho que todas as pessoas que assistirem vão se apaixonar por esse personagem, é brilhante!

KD : Sim, estamos muito animados, muito orgulhosos da Ruby. Todos os nossos artistas realmente se uniram e achamos que ela é um dos personagens mais cativantes que já tivemos na DreamWorks Animation.

Ultraverso: E de onde veio a inspiração para escolher krakens e mitologia?

KD: Na verdade, temos uma longa tradição de subverter tropos e desafiar expectativas na DreamWorks, desde um ogro com um coração de ouro até um panda preguiçoso que se torna um guerreiro de kung fu. E surgiu a oportunidade de contar a história de um kraken, uma criatura que sempre foi retratada como sendo má desde a mitologia escandinava, e dar uma reviravolta nisso e ver como seria para uma garota entender que ela poderia ter esse poder e essa força. E o que ela faria com isso e como ela lidaria com isso na parte mais difícil de sua vida, que são os anos de escola. Ah sim, e podemos ver o quanto é difícil para ela se adaptar e lidar com o ensino médio.

Ultraverso: E quantas garotas, quantas jovens garotas no mundo podem se inspirar por ela?

KD: Esperamos, você sabe, uma coisa maravilhosa sobre esse filme é que, no início, Ruby é como muitas garotas inseguras que tentam se esconder entre os colegas, talvez queiram ser um pouco invisíveis. E ao longo de sua jornada, tornar-se um kraken gigante torna-se quase impossível ficar invisível. Ela tem 90 metros de altura, é forte e brilha intensamente. Portanto, a verdadeira jornada de Ruby é aceitar esses desafios e também aprender que não precisa esconder quem é para se encaixar, mas sim sendo ela mesma e mostrando a todos os seus amigos que ela realmente pertence.

Ultraverso: Como foi trabalhar com grandes talentos para dar vida à família humana, os talentos de voz?

KD: Sabe, ao escolher todo o elenco do nosso filme, tivemos a oportunidade de criar uma história de mãe e filha com essas protagonistas femininas fortes. Tivemos Annie Murphy interpretando a Chelsea, Jane Fonda como a Vovó Ma e, você sabe, a incrível Toni Collette, certo. E Lana Condor interpretando a Ruby. A coisa realmente divertida foi que, quando conversávamos com cada uma delas, apresentando a história antes de começarmos a trabalhar, todas se identificaram com a jornada de uma garota adolescente passando por isso e com a capacidade dela de se importar.

O maior superpoder de Ruby é sua empatia e seu cuidado, e nessa missão de se encontrar, ela também cura sua família.  E uma das coisas divertidas foi que a Vovó Ma, interpretada por Jane Fonda, muitas das falas dela foram improvisadas por ela. Ela simplesmente incorporou esse espaço majestoso de ser a rainha dos sete mares. E uma das coisas divertidas foi que, em sua fala em que diz “meu nome é Vovó Ma”, a entonação sobe no segundo “Ma”, foi uma correção que minha co-diretora Farren Pearl fez em um momento no estúdio de gravação. Mas ela realmente se divertiu com esse papel, conectado a essa história de mãe e filha, na qual ela também se viu.

Ultraverso: A animação é muito apreciada no Brasil e estamos perto das férias escolares por aqui. O que você poderia dizer aos fãs brasileiros que vão assistir a Ruby no cinema?

KD: Bem, acho que assistir a Ruby no cinema será uma experiência muito especial porque, novamente, a escala, o escopo, os efeitos e as luzes têm uma força neste filme, tanto visualmente quanto em termos de história, que emocionalmente é algo que as famílias podem relacionar-se e desfrutar. É um filme para todas as gerações. Se as famílias forem ao cinema com seus avós ou pais, haverá algo para todos. E, como estávamos falando de música e estilo, ele tem uma energia e uma compreensão que, sinceramente, acredito que seja um filme de verão que você precisa experimentar na tela grande.

Então, eu realmente espero que vocês aproveitem o filme e que o vejam nos cinemas. A experiência de vê-lo em uma tela grande é simplesmente divina. Agradeço muito pelo apoio e pelo entusiasmo dos fãs brasileiros. Vocês são incríveis e tenho certeza de que vão se encantar com Ruby e sua família. Muito obrigada a todos!

Por fim, não deixe de acompanhar o UltraCast, o podcast do Ultraverso que fala sobre Cultura Pop:

https://app.orelo.cc/uA26

https://spoti.fi/3t8giu7

Aliás, vai comprar algo na Amazon? Apoie, então, o ULTRAVERSO comprando pelo nosso link:

https://amzn.to/3mj4gJa

Everton Duarte

Paulista, casado, jornalista em desenvolvimento, amante do mundo geek, co-fundador e editor-chefe do Ultraverso. Busco sempre o melhor em tudo o que me proponho a fazer.
O que sabemos sobre Wicked Boa noite Punpun Ao Seu Lado Minha Culpa Lift: Roubo nas Alturas Patos Onde Assistir o filme Lamborghini Morgan Freeman